João-Real

Um, dois, começou o jornal

Acabei de descobrir é só um caso banal

Meia dúzia de mal educados tomando porrada de pardos fardados

Opa 'pera' lá, muito calma, meu irmão

Quem toma o tiro é o pobre do João

Também conheço o atirador

É aquele favelado que se fode no metrô

Puta que o pariu o inimigo é comum

É o que nos explora, agora sou mais um

Governador, Prefeito ou dono da lei

Derrube sua rainha ou vai cair o rei

Agora estou andando num grupo engraçado

Tem até o filho de um nobre deputado

Opa 'pera' aí, eu acabei de ver

É aquele artista da Lei Rouanet

Porra, me deu um branco, um vazio

Quem está comigo é quem me causa arrepio

Presidente ou dono da lei

Derrube o bispo deles ou vai cair o rei

 

E quem dirá que foi tão pouco assim

Que já não tem mais fim

Que é o amanhã, a sorte no divã

Que já não há mais breu, já não sou mais eu

E quem dirá que vai fazer chover, ver o entardecer

Abraçar quem chorou, me dê a mão que eu vou

Só um pouco mais de amor, só um pouco mais de amor

 

Depois de algum tempo eu vi o João

Tomava aquela 'champa', ala vip do avião

Tinha um discurso estarrecedor

Todos o chamavam Excelência, Doutor

Eminência parda de quem outro dia

Era contestado por toda anarquia

Ele era agora o dono da lei

Deu um xeque-mate, agora era o rei