Dono do mundo (ao vivo)

Deixei a porta aberta para ventilar

Fiz o que tinha

E eu nem sei quem eu sou

Um vulto negro deu um alô

E eu sei bem quem eu sou

Dono do mundo, dono do mundo

Nunca mais eu vou dormir, nunca mais eu vou dormir

Nunca mais eu vou dormir

Quem, quem, vai dizer

Quem, quem, vai negar

Quem, quem, vai querer

Ir a uma festa depois de já estar

Sou um homem perigoso com dinheiro no bolso

Tô sentindo que eu posso fazer de novo

Tô sentindo que eu posso ser de novo o céu

Faz pensar em bobagem, faz pensar

Quem rouba o povo mata milhão

Faz pensar em bobagem, faz pensar

Velhos safados estão saqueando a nação

Chega de falar de história, de memória, de macumba

Chega de fazer verso controverso, falar da demanda

Se o poder é o sexo dos velhos, a verdade é que estão vivendo uma grande suruba

Se o poder é o sexo dos velhos, a verdade é vivem uma grande suruba

Enquanto isso o Zé da Rima devagar na esquina tenta só ganhar algum

E no corredor do SUS, já quase sem luz, toda hora morre um

Toda hora morre um

E eu sei bem quem eu sou

Sei bem quem eu sou

E eu sei bem quem eu sou

Dono do mundo, dono do mundo